segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Feliz 2013 do Plástico Bolha!


sábado, 15 de dezembro de 2012

COMO UM FILME DE GODARD


Acordei três da manhã com a sensação
esquisita de ter perdido alguma coisa.
Mas, acabara de acordar...

Seria assim tão distraída de deixar,
naquele lugar que havia deixado,
A fotografia do meu amado?
Seria eu um filme de Godard?

Fechei os olhos. Apertei as mãos. Concentrei-me
Com todo esforço enchi os pulmões de ar...
Mergulhei.

Procurei naquele lago escuro que aos poucos se definia.
A encruzilhada da esquina onde a teria deixado.
Usei o método tradicional associei busca a uma música,
uma paisagem, um pintor famoso,
Ou um cheiro de padaria gostoso.

Entusiasmei-me com a procura.
Tornei-me minuciosa. Segui rastros, pegadas, sítios escavados...
Usei carbono 14 manual de caverna.
E qualquer indício, tornou-se ossos do ofício.

Entre escombros nada encontrei. 
Nem impressões digitais.
Mas não desisti.
Avancei outra direção.
Desaguei na geleira, perto da cabeceira,
E entre a escrita, as camadas,
Ah, comecei a recordar. 

Mas mais que repente o fôlego desandou a faltar.
Optei por uma pausa. 
Um cigarro.
Fumei de baforada
Sem soltar fumaça...
Vieram nuvens e pássaros à cabeça.
Tristeza.
O abatimento encheu de lágrimas o sofrimento.

De nada adiantou.
A imagem que acariciei com as mãos
não consegui mais encontrar.

Afinal aceitei o mistério.
O amor na imagem do amado
Havia atravessado o espelho
Retornado ao passado.

Agora o Paraíso haverá de aguardar
outro encontro de amor.
Um novo filme de Godard.

Solange Padilha