segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Poema de Ivan Eugênio da Cunha


Nenhuma interjeição é verdadeira.
Nenhum pranto, nem sangue (mas que drama!)
Jamais se derramou sobre o papel.
Nem mesmo é de sentir que se produzem
Os versos que despertam sentimentos.
Também não é de súbito lampejo
Que nasce qualquer coisa que se leia.

Os versos sempre são premeditados
E escritos brutalmente a sangue frio.

Ivan Eugênio da Cunha

Nenhum comentário: