sábado, 27 de fevereiro de 2010

Desencontro

.
Você deve estar agora
andando por Copacabana,
chorando no chão da sala
ou desistindo de um livro chato.
Quisera eu estar agora
inteira sob teus quadris.
E estou – enquanto febres
atravessam-me enorme
e deslizo entre dedos e
mercúrio e memória
e a tua boca,
a tua boca.
.
Laura Assis
.
.
.
Laura Assis é nossa leitora de Juiz de Fora, Minas Gerais.
.

13 comentários:

Maria Teresa disse...

Perfeito...É fascinante a forma como escreve,impressionante a forma como me identifiquei e quis reler mil vezes esses versos...

sarah disse...

Laura, sempre acreditei em vc! Seu poema é lindíssimo e é a sua cara! Parabéns querida!!!!! beijosss

Natália disse...

Parabéns!! realmente vc escreve de modo fascinante, mas isso a gente já sabia!! bjos

Natália disse...

Realmente fascinante Laura. Parabéns!! beijos

Pedra do Sertão disse...

versos intrigantes...escrita instigante

valeria disse...

Lindo...Não poderia estar surpresa, pois tudo o que você faz é maravilhoso..Beijos..

Fabrícia Valle disse...

Bravo!

Larissa Andrioli disse...

devo comentar por três motivos:
1) fui INTIMADA.
2) a laura me mostrou esse poema logo que escrever.
3) é lindo, né? *__*
então, adoro esse poema, de vez em quando abro o arquivo no meu pc só pra ler, gosto muito mesmo.
parabéns ;*

Juliana disse...

Fantástico. Simplesmente fantástico esse poema. Não consigo descrevê-lo de outra maneira. Parabéns Laura!

Tânia Tiburzio disse...

Muito bom, bom mesmo!!
Parabéns!

Luiz Fernando "Mirabel" disse...

Somente Laura!

Como diria Capilé "você tá muito pronta!"

Grande abraço!

Maeve disse...

A Laura é ímpar com um modo de escrever par: imaginei duas coisas lendo isso! =) Palmas!

Arnaldo Sobrinho disse...

isso nem é um poema - é um arrastão! e agora, prondécovô?