quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Outro verão — um texto de Tânia Tiburzio

.
.
Toda vez que passo em frente aquela banca de jornais lembro que foi lá que você esqueceu dois maços de cigarros antes de irmos para a praia. Lembro também que calor úmido de janeiro não nos repelia, ao contrário nos atraia, porque nossos corpos grudados dissipavam o calor que nos consumia não por fora, mas por dentro. O mar azul, palavras que eu sussurrava em seus ouvidos perfeitamente compreendidas, apesar de não serem ouvidas. O sol agarrado aos telhados das casas, a música soando alta e continuadamente pela sala, por toda a rua, por todo o verão. Suaves delírios, o gosto do sal pelo corpo, a cama desfeita, a algazarra das refeições, o ventilador girando, girando e minha cabeça, meus sonhos girando com ele. A chuva fria no meio da noite e outros cigarros mentolados sendo acessos no lugar daqueles esquecidos em cima do balcão de uma banca de jornais na esquina da Paulista.
.
Tânia Tiburzio
.

5 comentários:

Blog da Bruna disse...

Tania: o texto cheira a você da cabeça aos pés...
Estranho, no lugar de imagens vc realmente transmite cheiros! Coisa rara...
Senti muito sua falta nos últimos encontros das oficinas. Boas Festas, com carinho, e até Janeiro!!
Bruna

Sara L. Miranda disse...

Que belo texto!!!

Maurici disse...

Tetê
Não raro é só sentir o cheiro de suas imagens, como diz Bruna, contudo escutar o cheiro de suas palavras..que misturam langue e parole.

É bom também, poder ouvir o seu falar no quadro-paisagem da sala de seus acontecimentos.
Maurici

san disse...

Tânia, caríssima, que texto mais de verdade...A gente sente tudo! bj
san

irisduarte disse...

Foda!