terça-feira, 18 de maio de 2010

Novo poema de Sebastião Ribeiro

ele batalha por ser invasivo
num continente ameaçado
sem reflexos à sua frente
numa lonjura sem sons
(onde pêlo algum meu pie)
se sustenta a espécie de mar
que não precisamos
conjeturamo-lo esticado porque
mesmo num cofo de tradições
nosso corpo é impreciso
e lhe digo não não preciso inventar
nada no lugar impresso de teu passado
fomos à praia desnecessariamente
azul algum te farás pronto
a cimentar meus pés
.
Sebastião Ribeiro
.

Um comentário:

S.Ribeiro disse...

Estou feliz em mais uma vez participar deste espaço que admiro e verifico constantemente. Abraços a todos!