sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Viagem sonora — poema de Carolina Sims

.
No dilúvio de águas frias,
Dançavam as medusas-da-lua, poetisas,
Leves em simetria radial,
Desiludidas em tamanho
Transbordamento.
A água longa que delas brotava,
Como lágrima desgarrada dos olhos,
Compunha poesias em meu mar infiltrado.
Que vendaval aquático percorre seus corpos
Transparentes;
Suas coroas de tentáculos prateados?
Somente sinos e estrelas cadentes,
Perfuravam suas rimas aquáticas.
Maré alta...
As medusas rasas, profundas, líricas,
Costuravam-se ao canto do mar, sem intento.
Sozinhas no burburinho do mar,
Entre peixes brilhosos e corais estrelados...
Na demasia de meu pensamento.
.
Carolina Sims
.

2 comentários:

A Escafandrista disse...

bonita poesia, eu diria que deve ter sido escrita por uma escafandrista... lol

Rafael disse...

Interessante o poema!
Como faço pra publicar algo no Plástico Bolha? Escrevo contos e poemas, que publico no meu blog, Somesentido.
Abraço