sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Surdos de Arrombalândia, por Gabriel Matos

.
Uma festa divertidíssima. Uma finesse. Uma educação. Eu queria que vocês pudessem escutar o silêncio que eu presenciava ali. As mãos mais falantes que eu já conheci. As gargantas mais silenciosas que eu já ouvi. As gargalhadas mais ruidosas e interessantes que eu já ouvi. Gente fina e civilizada é outra coisa. Não é que nem eu e outros aí, que nos proclamamos Homens de/a Cultura mas temos abobrinha e outras agriculturas no cérebro. ó! Que saudade.
No meu último sonho, havia um horário eleitoral surdo.
.
— Instalamos dezenas de telefones públicos para os deficientes auditivos — diz o Tucano.
.
— Instalamos closed caption em todas as novelas mexicanas — vocifera a Macaca, ou melhorzíssimo, o Macaco-Fêmea.
.
— Instalamos uma lei onde todas as empresas de telefonia móvel terão de estar lançando aplicativos para amparar os portadores de deficiência física, visual, sonora, olfativa e gustativa — proclama a Baleia Azul.
.
O despertador de luzes coloridas... dESperTA. Acordo. Graças ao meu Papai Noel, em cujo sapatinho havia uma nota. Não foi sonho; foi uma aparição demagógica. Obrigado, Bom Velhinho.
.
Eu queria uma festa. Uma festa divertidíssima, com nuvens de algodão-doce. Um templo de surdos-mudos onde eu pudesse moodar o mundo e suas onomatopeias. Vou me candidatar à lista do SurdosOL, a rede social de surdos On-Line, e prometer uma educação de fato inclusiva, onde os ouvintes se incluam num mundo irado que nem o dos surdos.
.
Um cachorro-quente, por favor.
.
.

Um comentário:

João Bosco Maia disse...

Estive já por aqui e cá estou outra vez. Belo espaço para as letras e para remover este triste índice de leitura de 2 livros/ano por brasileiro. Na Argentina, são dezoito livros/ano.
Te convido a conhecer meus romances. Três deles estão disponíveis inclusive para serem baixados “de grátis”, em formato PDF.
Um grande abraço e boa leitura!
João Bosco Maia