quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Meus paralíticos sonhos desgosto de viver

.
.
Ele estava ali na minha frente. Espumava como um cão raivoso. Corri em sua direção na esperança de me resignar. As lágrimas escorriam pelo meu rosto já molhado da sua água. Foi ali, sob o olhar do Pão de Açúcar, que eu me entreguei. Desci até o fundo e deitei-me no chão. Sem palavras, sem pensamento, apenas sentindo uma forte pressão sobre o peito. Ele me roçava inteira, me descabelava toda e me lambia as pernas. Já não havia mais roupas para cobrir meu corpo quente. Permaneci ali embaixo até meus pulmões não aguentarem mais, então, subi covardemente em busca de ar. Levei um tapa, depois outro. Chorei. Bate, bate mais seu merda! Ele me ouviu e mais um tapa levei, sendo que dessa vez bati forte com a cabeça no chão. Meus olhos enxergaram o escuro. Sem forças fui me abandonando enquanto sua água beijava o meu corpo por dentro. Sufocou-me. Eu já era sua. Senti-o me puxar pelos pés. Aos poucos foi me levando para cima e em seu colo me acolheu. Delicadamente acariciou o meu corpo nu e frio enquanto me levava para longe. Ninguém nos viu, nem o poeta de bronze se virou para se despedir. Os canhões do forte permaneceram em silêncio. Ele foi me levando. Só restou-me dizer adeus!
.
Cacau Vilardo
.

5 comentários:

chris pitanguy disse...

amiga, está lindo! parabens

Maria Luiza disse...

Simplesmente espetacular, estou buscando superlativos adequados mas meu leigo conhecimento não encontrará...Maravilhoso, Adorável, Sensível.
Amei!

Ângela disse...

A Cacau sempre se superando em emocionar. Suas palavras vem do útero. Fico lendo,lendo,lendo e no final paralizo diante do inesperado. Amo suas obras e amo conhecê-la. Delicadeza e voracidade em forma de talento. Parabéns,Cacau!

Joana disse...

Muito lindo! Parabéns Cacau!

fabio ventura disse...

Lindo,amiga !

Feliz por ver seu talento em forma nova e brilhante .

Parabéns

Fábio V