segunda-feira, 16 de novembro de 2009

This is it, por Augusto de Guimaraens

.
.
Como me disse ontem Chacal: “O Michael não pode morrer, pois ele é um desenho animado. Imagina se o Pernalonga morresse?” Pois é, agora os desenhos animados explodem a tela e adentram nossa própria pele através dos estragos de lua desse menino vítima do POP, de que lua falava Michael? Lua intensa como um véu vazante, anjo exterminador vazando milagres. Como um continente perdido na beira da casca de um ovo, M.J. se auto-implode como um encenador de si próprio, this is it. Michael, você se perdeu no deserto de fotos envelhecidas antes do tempo, só te resta agora esta saudade do futuro, passos de escuro e pistas lunares, this is it. Nada te salva te salvará dos estilhaços deste instantâneo instante, desta saudade de tudo que ainda se resta para viver. Heróis ainda apodrecem no vento de carne. Pessoas abrem seus guarda-chuvas, mas a chuva não as guarda, o veneno que assalta é um mel vazando massacre , this is it. Saudemos agora esse nosso Macunaíma ao avesso, this is it. Michael Jackson foi o último dândi da história, andrógino anjo exterminado pela multidão anônima, sangue pisado nos estilhaços da calçada da lama. Nunca mais luvas de lantejoulas prateadas e casacos de remotas purpurinas douradas, nunca mais girassóis na lapela, nunca mais. Ambulâncias ainda correm pelo pôr-do-sol tragado pelos anjos da cidade. Cidades são traçadas, mas os arquitetos regurgitam gotas de nuvem. Se Oscar Wilde declarava que uma reforma na maneira de se vestir era muito mais importante do que a reforma da religião, o exibicionismo delicado de Michael tinha um alvo certo: a dança. Michael esclarece: “Eu me torno as estrelas e a lua. Eu me torno o amante e o amado. Eu me torno o vencedor e o vencido. Eu me torno o senhor e o escravo. Eu me torno o cantor e a canção. Eu me torno o conhecedor e o conhecido. Eu continuo dançando e dançando e dançando, até que haja apenas.....a dança”. Os pés andam sozinhos. Agora já é tarde demais para se morrer.
.
Augusto de Guimaraens Cavalcanti
.

Um comentário: