terça-feira, 12 de maio de 2009

Poema como mote para a solidão sem fim

.
Os tubarões andam se alimentando de surfistas.
Aquele navio asiático permanece ancorado
com porões cheios de carne estragada.
Tenho medo, mamãe, do Canibal de Milwaulkee.
Tenho medo do assassino que mata casais na praia.
Tenho medo de ser torturado por policiais por causa do beijo que dou em meu namorado – cobram caro pelo flagrante de um abraço.
Não temos glória, mamãe.
Só uma luta infinda.
Pedradas, imprecações!
Eles não nos aceitam, mamãe!
Só suportam nossas cores,
nossas gargalhadas,
nossos falsos decotes,
nossos quadris,
peitos e bundas
de silicone e anabolizantes.
Mas somos mais desaforados que eles, mamãe.
Porque não podem nos eliminar a todos.
.
Tom Zine
.

Um comentário:

Tom Zine disse...

Este e outros poemas, você poderá conferir no BLOG DO TOM : http://paredesteto.blogspot.com